top of page

O patriarca, Mar Dinkha IV, visitou o Papa João Paulo II em Roma em 1984 e participou no dia de oração pela paz em Assis em 1986. Em 1994, Mar Dinkha e o Papa João Paulo II assinaram uma declaração comum no Vaticano. O texto afirma que católicos e assírios estão “hoje unidos na confissão da mesma fé no Filho de Deus” e prevê uma ampla cooperação pastoral entre as duas igrejas, especialmente nas áreas da catequese e da formação dos futuros sacerdotes. O papa e o patriarca também estabeleceram um comité misto para o diálogo teológico e incumbiram-no de superar os obstáculos que ainda impedem a plena comunhão.

O diálogo tem-se reunido anualmente desde 1995. A primeira fase do seu trabalho, que se concentrou na teologia sacramental, concluiu-se com o encontro de Outubro de 2000 em Arezzo, Itália, e com a aprovação de um texto, “Declaração Comum sobre a Vida Sacramental. ”Na mesma reunião, a comissão iniciou a segunda fase do diálogo, que se concentraria na constituição da Igreja e em outras questões eclesiológicas.

A aproximação entre as duas Igrejas encontrou expressão concreta no aumento dos contactos e da cooperação entre a Igreja Assíria do Oriente e a sua homóloga católica, a Igreja Católica Caldéia. Mar Dinkha IV e o Patriarca Caldeu Raphael Bidawid reuniram-se em Detroit em Novembro de 1996 e emitiram uma declaração patriarcal conjunta comprometendo-se a trabalhar pela reunificação das suas igrejas, formando uma comissão conjunta para a unidade que deveria elaborar um catecismo comum, supervisionar a fundação de um seminário nos EUA para ambas as igrejas e desenvolver programas pastorais comuns. Em 15 de agosto de 1997, os membros dos Santos Sínodos das duas igrejas assinaram um “Decreto Sinodal Conjunto para a Promoção da Unidade” que reafirmou as áreas de cooperação pastoral previstas no decreto patriarcal conjunto, reconheceu que assírios e caldeus deveriam vir para aceitaram as suas diversas práticas como legítimas, implementaram formalmente o estabelecimento de uma “Comissão Conjunta para a Unidade” assírio-caldeia e declararam que cada lado reconhecia a sucessão apostólica, os sacramentos e o testemunho cristão do outro. O texto também enunciava as preocupações centrais de ambos os lados no diálogo: embora ambas as igrejas quisessem preservar a língua e a cultura aramaicas, os assírios tinham a intenção de preservar a sua liberdade e autogoverno, enquanto os caldeus afirmavam que a preservação da plena comunhão com Roma estava entre os seus princípios básicos.

Abaixo está a Declaração Cristológica Comum de 1994 e as “Diretrizes” emitidas pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade em 2001 sobre a partilha sacramental entre os fiéis da Igreja Assíria do Oriente e da Igreja Católica Caldéia.

bottom of page